Saúde do Homem

Vale a pena ter um plano de saúde? Saiba por que muitas pessoas estão abrindo mão dele!

novembro 8, 2018
Tempo de leitura 6 min

Sabemos que ter uma boa saúde é fundamental para uma vida confortável e longínqua. E, para isso, manter uma boa alimentação, fazer exercícios físicos regularmente, evitar uso de substâncias controladas e o consumo de alguns suplementos como ômega 3, colágeno, cálcio e multivitamínicos, por exemplo, são boas dicas.

Contudo, para além disso, é importante lembrar que de vez em quando — pelo menos uma vez por ano —, fazer alguns exames de rotina são necessários. No Brasil, as principais soluções para algum problema são: o sistema público de saúde (SUS — Sistema Único de Saúde), consultas privadas ou os planos de saúde, que fazem papel de intermediários entre paciente e médico por um certo valor.

Será que, em meio a uma crise, você conseguirá o atendimento que precisa? Vale a pena ter plano de saúde? Para saber essas respostas e as alternativas a esse serviço, confira este conteúdo!

Vale a pena ter plano de saúde?

Ter um plano de saúde para muitas pessoas é uma questão essencial, já que a defasagem do Sistema Único de Saúde (SUS) é tão grande que a confiança no sistema acaba sendo pequena e cuidar de si mesmo e da família é importante demais para ser negligente.

Mas, nos últimos anos, o número de pessoas e famílias que não contam com nenhum tipo de plano vem crescendo e isso se deve tanto à crise quanto às próprias concessionárias de plano de saúde.

A crise deixou muita gente desempregada (o que, por consequência, fez com que o acesso ao plano de saúde beneficiado pela empresa fosse perdido). Além disso, houve o aumento das taxas dos planos, como de adesão e mensalidade, cobradas para se ter e permanecer com um plano de saúde.

Com isso, há uma parcela da população que está trocando o plano por opções mais econômicas. Mas quais são essas novas alternativas? Para entender esse cenário, leia, abaixo, mais sobre cada opção. Assim você poderá tomar a decisão certa!

SUS

A primeira opção é a mais barata até mesmo por ser pública e gratuita garantida por lei a todos os habitantes do Brasil. O sistema é bem controverso devido a seu atendimento longo e às vezes faltoso, mas também tem pontos positivos.

Existem alguns tratamentos que são feitos exclusivamente pelo SUS como o de HIV, distribuição de vacinas básicas, e o de câncer — o sistema detêm a maior porcentagem de tratamento no país. Mas devemos sempre lembrar que por ser um sistema para todos, as consultas, principalmente de especialistas podem levar até seis meses para acontecer.

Planos de saúde

O plano de saúde mais básico atualmente é o tipo coparticipativo, no qual o indivíduo paga uma mensalidade e um valor para cada consulta ou exame realizado. Esse tipo de plano geralmente cobre atendimentos, análises e emergências, mas não inclui carência para internações.

À medida que o tipo do plano evolui, a mensalidade fica mais cara, mas os valores extras ficam menores ou inexistentes. As coberturas também ficam maiores. Esse modelo, por sua vez, pode incluir consultas, exames, internações sem prazo de saída e até cuidados neo-natais no mais completo, considerado de referência.

Aqui, mais uma vez você pode estar se perguntando: vale a pena ter plano de saúde se um sujeito paga valores altos mensalmente para visitar o médico duas vezes ao ano para consultas e exames de rotina? É um ponto a pensar.

O fato é que com a crise e a grande insatisfação (tanto da população quanto dos médicos) com os planos de saúde, estão sendo criadas alternativas para que não seja preciso depender do sistema público de saúde e nem seja necessário assinar um contrato de plano a longo prazo. Saiba mais abaixo!

Reembolso

Algumas pessoas estão utilizando esse método para se consultar, principalmente, com os médicos que em que já têm confiança e não estão mais atendendo pelo plano. Nesse caso, esses indivíduos já têm algum tipo de convênio, mas o médico que procuram não está vinculado ao mesmo.

Assim, o que fazem é pagar o valor da consulta por fora para ser atendido e pedem o reembolso do valor ao plano, que cobre uma porcentagem de tudo que é gasto por fora e estiver incluso no plano de cobertura.

Cartões de benefícios

Uma dessas alternativas é a associação a alguma empresa que disponibiliza cartões de benefício. Funciona da seguinte maneira: você adquire o cartão que pode ser beneficiado para você e mais cinco familiares, paga um pequeno valor de mensalidade e consegue se consultar com o um clínico ou médico especialista por um valor bem menor do que se pagaria pela consulta privada.

Startups  

Já outra possibilidade que está sendo gerada é a associação do paciente ao médico. Algumas startups estão criando sistemas onlines que ajudam a conectar as pessoas. Isso porque eles relacionam médicos que estão dispostos a cobrar valores mais baixos nos horários mais vazios com pacientes que procuram consultas a preços acessíveis.

Essa alternativa acontece sempre via internet e pela plataforma da empresa que garante o valor a ser pago na hora da consulta.

Clínicas

Um outro cenário são as clínicas particulares que atendem os pacientes por preços mais acessíveis. Este tipo de clínica possui alguns benefícios que vêm atraindo atenção e as transformando em ótimas opções para quem procura os melhores atendimentos.

Além do preço mais baixo, outro ponto a ser destacado quanto às clínicas são os profissionais capacitados em diversas áreas, como pediatria e reumatologia, e a possibilidade de realizar exames de todos os tipos em um só lugar. 

As clínicas particulares possuem também a vantagem de terem maior disponibilidades de horários, agendamentos online e orçamentos de exames de forma gratuita. Isso, aliado aos consultórios bem equipados e ambiente seguro e confortável, dando ao paciente o tratamento que ele precisa. 

Um exemplo é a PartMed, que já tem filiais em várias partes do país e conta com mais de 20 tipos de especialidades, que vão desde clínico geral, passando pela psiquiatria até a área de cirurgia plástica. Tudo isso com a qualidade da consulta particular por um preço justo.

Além dessas opções, há também a alternativa de pagar o valor integral de uma consulta particular, caso a sua realidade permita. O importante é encontrar serviços que se adéquem ao seu estilo de vida mas ainda proporcionem conforto e segurança tanto para você quanto para a sua família.

E aí, depois dessas informações, acha que vale a pena ter um plano de saúde? Alguma dessas dicas funcionou para você? Aproveite e entre em contato conosco — podemos ajudá-lo a cuidar de você!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário

Scroll Up