Saúde da Mulher

Ovário policísticos: conheça 4 opções de tratamento

dezembro 17, 2018
Tempo de leitura 6 min

Durante a vida, a mulher passa por diversas fases no ciclo reprodutivo, desde a menarca até a perimenopausa. Em cada uma dessas etapas existem vários exames que devem ser realizados para garantir uma boa saúde sexual feminina, dentre eles estão o ultrassom, papanicolau e colposcopia. A partir desses exames são constatados problemas e doenças, dentre elas: ovário policístico.

Essa síndrome atinge mulheres de diversas idade, sendo mais comum durante a adolescência, ela apresenta diversos sintomas que podem afetar o dia a dia da mulher, como menstruação irregular, obesidade e acne.

Mas se engana quem pensa que por ter a síndrome a qualidade de vida pode ser afetada. Atualmente, já existem diversos tratamentos que diminuem os efeitos dos sintomas e ajudam a mulher a viver normalmente.

Pensando nisso, criamos este post com 4 opções de tratamento para ovário policístico que vão ajudar a melhorar o seu dia a dia e qualidade de vida. Confira!

O que é?

Ter ovário policístico é bastante comum entre as mulheres. Esse distúrbio causa o aumento no tamanho dos ovários, a partir da formação de múltiplos folículos (até 10 mm), se comparados aos ovários normais.

Esse problema não apresenta uma causa específica, seu aparecimento pode estar relacionado aos casos na família e sobrepeso. Isso acontece porque o excesso de peso causa alterações hormonais no organismo, como o aumento de testosterona, que é um dos hormônios ligados ao aparecimento dos folículos.

Existem dois tipos, os ovários policísticos são aqueles em que os folículos são detectados por meio da ultrassonografia. Já a síndrome de ovários policísticos também apresenta múltiplos folículos nos ovários, mas vem acompanhada de diversos sintomas, que costumam chamar maior atenção ao problema.

A síndrome é um transtorno endócrino e é acompanhada de diversos sintomas, como menstruação irregular, obesidade, pequenos cistos e aumento dos hormônios masculinos (conhecido como hiperandrogenismo e é caracterizado pelo aumento de pelos no corpo e acne).

Quais os tratamentos?

A síndrome do ovário policístico não tem cura, mas existem tratamento que ajudam a controlar seus sintomas. A escolha de tratamento vai depender dos indícios apresentados pela mulher.

1. Anticoncepcional oral

O uso de anticoncepcionais por mulheres que não desejam engravidar pode beneficiar na melhora dos sintomas da síndrome. As ações hormonais das pílulas controlam o hiperandrogenismo, ou seja, diminui o aparecimento de pelo e acne no organismo.

Para isso, hoje em dia, já existem anticoncepcionais com composições específicas para controle do excesso de hormônios masculinos.

As pílulas também ajudam a regular a menstruação, além de diminuir cólicas, reduzir o aparecimento de cistos e volume de ovários. Para isso, um médico vai indicar a melhor opção para cada mulher.

2. Remédios para diabetes

Mulheres que têm ovário policístico apresentam maior chance de contrair diabetes tipo 2 (esse tipo costuma ser adquirido por conta de maus hábitos). Isso acontece porque a síndrome faz com que a pessoa apresente maior sensibilidade à insulina, dessa maneira, o corpo produz uma grande quantidade da substância para compensar.

Ao controlar esse problema e aumentar a sensibilidade à insulina, acontece a prevenção contra diabetes. Por isso, é muito comum mulheres que têm a síndrome usarem regularmente remédios para diabetes. Para que esse tratamento aconteça é recomendado procurar um especialista.

3. Dietas e exercícios físicos

Um dos tratamentos mais comuns para quem sofre com a síndrome é a adequação do estilo de vida. Adotar uma dieta balanceada e prática de exercícios físicos na rotina pode ajudar a controlar os sintomas e prevenir outras doenças.

Isso se dá porque um dos sintomas mais comuns do ovário policístico é o aumento de peso. Por conta disso, uma má alimentação rica em frituras, conservantes e processados, pode causar obesidade e aumentar alguns sintomas, como a acne.

Além disso, a prática de exercícios físicos aumenta a sensibilidade à insulina, controlando a glicose e diminuindo as chance de diabetes.

4. Indução da ovulação

Algumas mulheres que têm a síndrome podem apresentar mais um sintoma, a diminuição na produção de óvulos. Por conta disso, outro tratamento muito indicado é a indução a ovulação após normalizar os níveis de hormônios.

Essa opção é muito indicada para quem deseja engravidar e após tentar as outras alternativas não obteve resultado. Para que possa fazer uso desse método, a paciente deve realizar uma série de exames, além de acompanhamento médico.

Independentemente da baixa ovulação, por conta da menstruação irregular é comum que o corpo produza maior quantidade de óvulos espontaneamente, conseguindo engravidar sem auxílio de indução, medicamentos e ajuda médica.

Alguns outros tratamentos, como controle de colesterol, cirurgia bariátrica e uso de hormônios também ajudam na diminuição dos sintomas da síndrome do ovário policístico.

O ideal é que a mulher procure um especialista para que, a partir de exames e análise dos sintomas, possa ser escolhido o melhor tratamento. Essa escolha é feita de maneira individual e mesmo que duas pessoas apresentem os mesmos sintomas, podem ser receitadas intervenções diferentes.

Quando devo procurar um médico?

A síndrome do ovário policístico pode acarretar o risco de algumas doenças mais graves, como problemas cardiovasculares, diabetes, colesterol alto, ansiedade, depressão, câncer no endométrio, dentre outros. Por isso, deve ser acompanhada de perto desde o início por especialistas.

Ao apresentar algum dos sintomas que explicamos acima, o ideal é procurar um ginecologista para que possam ser realizados exames e detectar a causa. É comum mulheres que têm a síndrome se preocuparem quanto à gravidez, mas quando o tratamento é realizado de maneira correta, as chances de atrapalhar a fecundação são mínimas.

Após a menopausa, os sintomas da síndrome tendem a piorar. Isso acontece porque após esse período a produção hormonal diminui, causa maior enfraquecimento e queda de cabelo, aumento de pelos corporais no rosto e corpo e, até mesmo, aparecimento de acne. Por isso, é importante procurar um médico para que possa ser feita uma reposição hormonal e ter esses transtornos controlados.

A síndrome do ovário policístico não pode ser evitada, mas a descoberta precoce pode ajudar a prevenir complicações e doenças mais graves, como foi explicado. Caso perceba que o tratamento não está sendo eficiente ou esteja sofrendo com efeitos colaterais, procure um médico imediatamente.

E aí, gostou de conhecer 4 opções de tratamento para ovário policístico? Acha que as informações foram úteis? Aproveite e entre em contato conosco para que possamos ajudar a encontrar a melhor solução para você!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário

Scroll Up