O que é incontinência urinária e qual o tratamento?

Tempo de leitura 6 min

É comum que as pessoas tenham resistência ou sintam medo de falar sobre os problemas de saúde que têm, principalmente quando são relacionados com questões mais delicadas, como é o caso das incontinências. A incontinência urinária, por exemplo, é um mal comum que afeta homens e mulheres de diferentes idades, mas que muitas vezes não é discutido devido à vergonha de tocar no assunto.

Porém, é importante falar sobre o tema, afinal, várias outras pessoas podem se beneficiar ao saber mais sobre essa questão. Por isso, elaboramos este texto para que você saiba mais sobre a incontinência urinária e tire suas dúvidas. Acompanhe!

O que é a incontinência urinária?

A incontinência urinária é a perda involuntária de urina pela uretra, isto é, a pessoa não consegue controlar o próprio xixi. O problema é mais comum em mulheres idosas, mas como vimos, pode afetar também homens e mulheres em outras idades. Isso acontece porque a mulher tem algumas alterações no assoalho pélvico, ou seja, nos músculos que sustentam os órgãos da região, de forma que eles podem “perder a força” mais facilmente.

A fim de que você entenda melhor como a incontinência acontece, vamos explicar o sistema de controle urinário:

  • os rins são os órgãos responsáveis por produzir urina constantemente, que é armazenada na bexiga;
  • a “saída” da bexiga é circundada pelo esfíncter urinário, que permanece contraído para manter a bexiga fechada e impedir que a urina vá para a uretra;
  • quando a bexiga enche, são enviados estímulos para o cérebro, levando a pessoa a sentir vontade de urinar;
  • a pessoa toma a decisão voluntária de urinar, mandando a mensagem para que o esfíncter relaxe;
  • a urina flui para a uretra e para fora do corpo, ao mesmo tempo em que os músculos da bexiga se contraem.

Dessa maneira, a pessoa com incontinência urinária tem alguma anormalidade em uma das etapas do processo, comprometendo a capacidade de controlar a micção (ato de expelir a urina).

Tipos de incontinência

Existem diferentes tipos de incontinência urinária, como:

  • incontinência de urgência: vontade urgente e súbita de urinar associada à incapacidade de segurar a urina até chegar ao banheiro;
  • incontinência por esforço: perda de urina em pequenos jatos que acontece quando há aumento da pressão abdominal (quando a pessoa ri, tosse, espirra, faz exercício físico ou levanta um objeto pesado);
  • incontinência mista: mistura da incontinência de esforço com incontinência de urgência;
  • incontinência por transbordamento: acontece quando a pessoa perde a sensibilidade na bexiga e não sente quando ela está cheia, de forma que a bexiga fica tão cheia que a urina transborda;
  • incontinência total: escape contínuo de urina, devido ao não fechamento do esfíncter urinário.

Quais são as causas e os fatores de risco?

O controle da micção é feito pelo sistema nervoso autônomo, que é responsável por controlar as funções do corpo, como a digestão, o sistema cardiovascular e a respiração. Algumas condições normais ou anormais podem alterar o seu funcionamento, levando à incontinência urinária. As principais causas do problema são:

  • fraqueza do músculo pélvico em mulheres idosas, durante a gravidez e após o parto normal;
  • comprometimento da musculatura do assoalho pélvico ou dos esfíncteres causado por outros motivos, como obesidade ou cirurgias na região;
  • doenças que comprimem a bexiga;
  • obstrução do trato urinário;
  • distúrbios funcionais como acidente vascular cerebral e demência em idosos, que comprometem o controle nervoso da micção;
  • bexiga hiperativa, uma síndrome que é caracterizada pela contração involuntária do músculo da bexiga;
  • medicamentos que causam fraqueza dos músculos pélvicos ou do esfíncter, hipoatividade dos músculos da parede da bexiga ou bloqueio da saída de urina.

Os fatores de risco para desenvolver o problema são sexo feminino, idade avançada, obesidade, diabetes e doenças neurológicas.

Como é feito o diagnóstico?

O primeiro passo para o manejo da incontinência urinária é o reconhecimento do problema e a procura por acompanhamento médico. Isso significa que qualquer pessoa, após a infância, que apresentar perda de urina involuntária deve procurar um médico urologista. Ele é o profissional responsável pelo diagnóstico e tratamento de problemas urinários.

Primeiramente, o médico vai fazer uma avaliação do histórico clínico da pessoa, para identificar os sintomas e qual o tipo de incontinência. Depois, é realizado um exame físico e podem ser solicitados procedimentos para confirmar o diagnóstico e excluir outros problemas mais graves, como:

  • exame de urina;
  • diário da bexiga (o paciente anota quantas vezes foi ao banheiro no dia, o que comeu e o que bebeu);
  • medição residual pós-miccional (verificação de quanta urina foi produzida e de quanto permaneceu na bexiga depois do paciente urinar);
  • ultrassom pélvico;
  • cistoscopia (exame do interior da bexiga).

Como tratar a incontinência urinária?

O tratamento da incontinência urinária é feito de acordo com o tipo de incontinência, a sua gravidade e outros fatores individuais que são avaliados pelo médico. A boa notícia é que muitas pessoas com o problema podem ter uma grande melhora ou até mesmo se curar com diferentes tratamentos.

Em casos de incontinência leves, as modalidades de tratamento são mais simples e com menos chances de efeitos colaterais. Alguns exemplos são:

  • dieta com controle de ingestão de fluidos;
  • treinamento da bexiga para aumentar o intervalo entre as idas ao banheiro;
  • técnica da micção dupla para esvaziar completamente a bexiga (urinar, esperar alguns minutos, e fazer força para urinar mais);
  • programação de idas ao banheiro a cada 2 horas, em vez de esperar a vontade aparecer;
  • exercícios para fortalecer o assoalho pélvico;
  • fisioterapia para incontinência.

Já para casos de incontinências moderadas ou mais graves, pode ser necessário o tratamento com estímulos elétricos na região do assoalho pélvico, o uso de medicamentos ou até mesmo a cirurgia. A cirurgia normalmente é indicada em casos de incontinência de esforço e consiste em colocar um suporte para restabelecer os ligamentos que sustentam a uretra.

Por fim, se os tratamentos médicos ou cirúrgicos não corrigirem o problema por completo, existem algumas opções para melhorar o conforto do paciente. Elas são:

  • uso de sonda urinária para esvaziar a bexiga de forma contínua ou em intervalos;
  • uso de roupas íntimas especiais para incontinência;
  • uso de absorventes e fraldas descartáveis.

Visto que não há uma prevenção específica para a incontinência urinária, o melhor é investir no controle dos fatores de risco e estar atento aos primeiros sinais do problema. Lembre-se sempre de que procurar um médico urologista é um dos pontos mais importantes para o controle da incontinência e o manejo de um tratamento eficaz.

Se você está enfrentando algum problema em relação à micção, aproveite o momento para entrar em nosso site e agendar uma consulta com um de nossos especialistas. Não perca tempo e comece agora mesmo a cuidar da sua saúde!
Powered by Rock Convert

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

1 Comentário

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Scroll Up