Saúde do Homem

Escoliose lombar: saiba mais sobre os sintomas, causas e tratamentos

junho 10, 2019
Tempo de leitura 5 min

Existem diversas doenças que podem atingir a coluna vertebral, dentre elas a escoliose lombar. Ela é caracterizada pela curva da coluna para um dos lados, que pode ficar no formato de um C ou S. Essa é uma enfermidade que assusta quando o diagnóstico é recebido, mas são poucas as pessoas que sabem exatamente o que é o problema.

Pensando nisso, criamos este post para explicar um pouco mais sobre o que é a escoliose lombar, além de suas causas e tratamentos. Continue a leitura para conferir!

O que é a escoliose lombar?

A escoliose lombar ocorre quando uma parte da coluna vertebral se curva para um lado. Isso pode acontecer em qualquer parte da coluna, mas é mais comum na parte inferior das costas e nível do tórax. Esse é um problema que pode afetar pessoas de todas as idades, até mesmo as crianças.

Contudo, na infância, geralmente não é feito nenhum tratamento, pois, com o crescimento, o problema se corrige sozinho. Porém, dependendo da idade e do grau de curvatura a fisioterapia pode ser necessária. Além disso, existem casos mais graves da doença que requerem cirurgia, mas é raro.

Quais são os sintomas?

A escoliose lombar no estágio inicial pode ser difícil de identificar. Os sintomas são poucos, e somente quando o paciente dobra o tronco para frente é possível perceber a curvatura.

Alguns dos principais sinais do problema e que auxiliam na identificação são:

  • um ombro mais alto que o outro;

  • ombros ou quadris assimétricos;

  • pélvis inclinada para um lado;

  • roupas não se encaixam corretamente;

  • comprimento das pernas irregulares;

  • dor na musculatura.

Quais são as causas?

Existem três tipos de escoliose: a congênita, neuromuscular e idiopática. Cada uma pode ter diferentes causas. Abaixo explicamos mais sobre elas:

  • congênita: esse tipo de escoliose decorre de um problema na formação dos ossos da coluna vertebral ou na fusão dos ossos da coluna. Ele pode ocorrer durante o desenvolvimento do feto;

  • neuromuscular: nesse caso, a escoliose é causada por um problema neurológico, como a paralisia cerebral ou muscular, e decorrente de distrofia muscular, causando a fraqueza dos músculos;

  • idiopática: assim como o próprio nome já diz, esse tipo de escoliose não tem causa conhecida. Geralmente é encontrado em crianças e adolescentes, sendo o mais comum.

Alguns fatores de risco podem contribuir para o surgimento do problema, dentre eles estão a idade (a escoliose pode aparecer nas fases mais acentuadas de crescimento), histórico familiar, e sexo mulheres têm uma tendência maior ao desenvolvimento da doença.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico de escoliose lombar é realizado a partir de consulta com um especialista. Durante o exame o profissional analisa todos os fatores de risco e histórico familiar. Além disso, é feito um exame físico para verificação de sinais do problema.

Podem ser solicitados também testes de imagem (raio X, tomografia e ressonância magnética) e exame neurológico para avaliar a fraqueza muscular.

Quais são os tratamentos?

O tratamento é desenvolvido após a análise do caso de cada paciente e depende do grau da escoliose. Na maioria das vezes, para crianças e adolescentes é realizado apenas um acompanhamento e reavaliações clínicas.

No entanto, existem diversos tipos de tratamentos. A seguir explicamos um pouco sobre os mais comuns:

Colete

O colete órteses é recomendado para casos de crianças e adolescentes, sendo indicado para retardar a progressão da curva. Existem diversos tipos de coletes e cada um tem seu modo de uso adequado.

Essa opção de tratamento não reverte a escoliose, mas auxilia na correção da coluna, dependendo das características específicas de cada curvatura.

Fisioterapia

Após a análise e identificação do problema é desenvolvido um tratamento com fisioterapia, para auxiliar na correção ou minimização da escoliose lombar. Para isso, são feitos exercícios e utilizados equipamentos de ultrassonografia e R.P.G.

Ao final do tratamento de fisioterapia são indicadas outras atividades e práticas para manter o resultado e evitar que a coluna de curve novamente.

Cirurgia

A cirurgia é o tratamento para escoliose lombar considerada a alternativa mais agressiva, sendo indicada para os casos mais graves. Basicamente, ela faz a fusão da coluna vertebral, que reduz a curva da coluna, impedindo a evolução do problema.

Devido a sua gravidade, o procedimento só é recomendado nos casos em que os benefícios superem os riscos.

Além das citadas, a acupuntura, quiropraxia, ioga, massagem e pilates são mais algumas atividades que podem auxiliar no tratamento de escoliose lombar. Elas podem ajudar a fortalecer a musculatura e diminuir as dores causadas pela doença.

Como funciona a cirurgia?

Por ser agressiva e invasiva, a cirurgia pode ser considerada um risco e não é recomendada para quem tem escoliose lombar leve ou moderada. O procedimento envolve as seguintes etapas:

Enxertos ósseos

Duas ou mais vértebras (ossos da coluna vertebral) são conectadas com novos enxertos ósseos para manter a parte da coluna reta enquanto cura. Podem ser usados hastes de metal, parafusos, ganchos e fios.

Cuidados intensivos

A cirurgia pode durar de 4 a 8 horas, e logo após o paciente é transferido para UTI (Unidade de Tratamento Intensivo), onde recebe intravenosa e medicamentos para alívio da dor.

Na maioria dos casos, a alta da UTI acontece em 24 horas, porém, a internação no hospital ainda é necessária entre 7 a 10 dias.

Recuperação

O paciente pode retomar à rotina entre 4 a 6 semanas. No entanto, a prática de atividades físicas tende a demorar mais: somente após um ano da cirurgia.

Em alguns casos é necessário o uso de cinta traseira para suportar a adaptação da coluna vertebral. O paciente deve retornar ao hospital a cada 6 meses para que as hastes sejam alongadas — procedimento ambulatorial, sem a necessidade de internação.

A escoliose lombar é uma doença progressiva e em seu estágio inicial pode ser de difícil identificação. Se estiver suspeitando da doença, procure um médico especialista para que seja realizado o diagnóstico e indicado o melhor tratamento.

E aí, o que achou de conhecer mais sobre a escoliose lombar? As informações foram úteis? Caso tenha mais alguma dúvida, deixe um comentário abaixo! 

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário

Scroll Up