Saúde do Homem

É possível reverter a insuficiência cardíaca? Entenda!

junho 13, 2019
Tempo de leitura 6 min

Você já ouviu falar de insuficiência cardíaca? Essa doença considerada grave é muito comum e pode atingir pessoas de qualquer idade. Ela é caracterizada pela falha do coração — ou seja, o órgão tem dificuldade em bombear sangue, o que afeta sua funcionalidade e o resto do corpo.

Mas uma pergunta que não quer calar é: é possível reverter a insuficiência cardíaca? Em meio a tantos estudos e descobertas, os portadores da doença podem se curar completamente? Pensando nisso, criamos esse post para explicar um pouco mais sobre essa enfermidade e responder essa pergunta tão importante. Confira.

O que é a insuficiência cardíaca?

A insuficiência cardíaca, também conhecida como congestiva, é uma doença congênita que ocorre quando o coração não tem mais capacidade de bombear sangue para o resto do corpo, não conseguindo prover suas necessidades. Com o bombeamento comprometido, o sangue pode retornar para outros órgãos como pulmão ou fígado, acumulando-se e comprometendo seu funcionamento — é daí que o nome congestivo vem.

Essa é uma doença crônica de longo prazo, onde seus sintomas vão se desenvolvendo lentamente, mas existem casos em que ela se desenvolve repentinamente. Ela pode afetar apenas um lado do coração, nesse caso sendo chamada de insuficiência cardíaca direita ou esquerda, ou os dois lados, sendo esse mais raro. Mesmo não atingindo os dois lados do coração, ambos acabam sendo afetado com o passar do tempo.

Existem dois tipos de insuficiência cardíaca:

  • sistólica: é quando o músculo do coração não consegue ou não pode bombear sangue para fora do órgão corretamente;
  • diastólica: ocorre quando o músculo cardíaco fica rígido e o coração não se enche de sangue com facilidade.

Nos dois casos existe um ponto em comum: o coração não consegue bombear sangue rico em oxigênio para o resto do corpo facilmente.

Quais as causas?

Umas das causas principais da insuficiência cardíaca é a Doença Arterial Coronariana (DAC). Ela é caracterizada pelo estreitamento dos vasos coronarianos, responsáveis pelo transporte de oxigênio ao músculo cardíaco e pelas placas de gorduras que podem levar a um infarto ou isquemia. Outras causas comuns para a enfermidade são inflamações no músculo cardíaco, doença de chagas e alterações nas válvulas cardíacas.

Existem alguns fatores de risco que podem aumentar as chances de ter insuficiência cardíaca, dentre eles estão:

  • ataque cardíaco;
  • apneia do sono;
  • cardiopatias congênitas;
  • pressão elevada;
  • arritmia, ou batimentos irregulares;
  • infecção por vírus.

Quais os principais sintomas?

Geralmente, os sintomas da insuficiência cardíaca começam devagar e progridem com o passar do tempo. No entanto, nos casos em que houve problemas cardíacos, eles podem aparecer de repente. Os sintomas mais comuns são:

  • tosse;
  • falta de ar ao fazer atividades físicas ou após deitado por um período de tempo;
  • inchaço no abdômen;
  • inchaço nos pés e tornozelos;
  • sensação de batimento cardíaco acelerado;
  • ganho de peso;
  • pulso irregular;
  • fraqueza, desmaios ou fadiga;
  • perda de apetite;
  • náuseas ou vômitos;
  • necessidade de urinar durante a noite.

Algumas pessoas não apresentam sintomas de insuficiência cardíaca, tornando o diagnóstico mais difícil. Geralmente, esses pacientes descobrem a doença tardiamente.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico da doença é feito através de consulta com um cardiologista, neste momento é considerado o histórico de saúde do paciente, os sintomas e a partir disso são solicitados exames. As análises laboratoriais e de imagem são necessárias para que a insuficiência cardíaca seja confirmada e o tratamento desenvolvido. Alguns dos exames realizados são:

  • Raio X do tórax: analisar o tamanho do coração, presença de infecções ou líquidos nos pulmões;
  • ecocardiograma de 12 derivações: identificar alteração de dilatação ou sobrecarga do músculo cardíaco e arritmias;
  • angiotomografia coronariana: identificar variações anatômicas e presença de placas de gordura;
  • cineangiocoronariografia: identificar a presença de placas de gordura;
  • ecocardiograma bidimensional: avaliar as válvulas cardíacas, função do coração e músculo cardíaco;
  • ressonância cardíaca: calcular a função do coração, a presença de infartos e fibrose no músculo, o tamanho das câmaras cardíacas e auxilia no diagnóstico das causas patológicas.

Qual é o tratamento para insuficiência cardíaca?

Os tratamentos para insuficiência cardíaca são desenvolvidos individualmente e dependem da causa, sintomas, estágio da doença e complicações clínicas apresentadas. Os tratamentos combinam medicamentos com alterações nos hábitos de vida do paciente. Para isso deve-se evitar sal, procurar ingerir muitos líquidos, praticar atividades físicas e perder peso. Quem sofre com essa doença não deve consumir gorduras ou frituras.

No caso dos medicamentos podem ser prescritos remédios para controlar a pressão arterial, que melhorem as contrações do coração e diuréticos para diminuir inchaço nas pernas e líquidos no pulmão. Em alguns casos mais específicos a cirurgia pode ser indicada. Já nos estágios mais avançados da doença o transplante cardíaco pode ser o único efetivo.

É possível reverter a insuficiência cardíaca?

A insuficiência cardíaca pode ter cura, mas isso vai depender das causas, estágio da doença e tratamentos. Atualmente, com o avanço das tecnologias e estudos acerca da enfermidade, é possível reverter o quadro. Para que isso aconteça o paciente deve seguir as indicações à risca, sem qualquer alteração.

Vale lembrar que nem todos os casos são possíveis de reverter, para que isso aconteça o paciente deve estar no estágio inicial da doença, sem apresentar complicações e qualquer outro problema relacionado ao coração. Mesmo que não seja possível a reversão, hoje, os medicamentos já possibilitam uma vida tranquila, confortável e sem muitos problemas.

Quais as possíveis complicações e como prevenir?

Existem algumas complicações que podem se desenvolver em quem tem insuficiência cardíaca. Elas geralmente requerem tratamentos mais urgentes para o alívio dos sintomas. Dentre as complicações estão insuficiência renal com necessidade de diálise, implante de dispositivos para tratar arritmias e uso de marcapasso.

Independentemente da doença a prevenção é sempre o melhor tratamento. No caso da insuficiência cardíaca, muitas vezes, ela é causada por enfermidades preveníveis como infarto. Para isso aposte em um estilo de vida saudável com alimentação balanceada, prática de atividades físicas, ingestão de líquidos e boa noite de sono. Outro ponto é a visita regular ao cardiologista para identificar qualquer condição que possa piorar futuramente.

Como você viu, a insuficiência cardíaca é uma doença que pode ser considerada grave, mas com o tratamento certo é possível controlar e até revertê-la. Agora que você já sabe mais sobre o assunto, aproveite e marque uma consulta em uma de nossas clínicas, contamos com unidades em várias cidades e estados.

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário

Scroll Up