Saúde do Homem

Diálise ou hemodiálise? Entenda as diferenças!

março 19, 2019
Tempo de leitura 3 min

Os rins são um par de órgãos em forma de feijão localizados na parte superior-posterior do abdômen. Sua principal função é realizar a filtração do sangue, eliminando toxinas e excessos de sal e água da corrente sanguínea.

O bom funcionamento do corpo depende muito dos rins. Por isso, é preciso tomar cuidados especiais para evitar possíveis problemas renais, que podem levar à insuficiência e à necessidade de diálise ou hemodiálise.

Acompanhe o post de hoje para saber mais sobre o assunto e entender a diferença entre esses dois tipos de tratamento.

Como é o funcionamento dos rins?

Além de realizar a filtração, os rins também são responsáveis por regular a formação do sangue e dos ossos, cuidar da pressão sanguínea e controlar os balanços químico e de líquidos do corpo. 

A filtração realizada pelos rins tem o objetivo de manter o corpo livre de toxinas. Ela é feita por meio de milhares de minúsculos filtros, que “escolhem” as substâncias que ficam no corpo e as que devem ser eliminadas na urina.

Todo o sangue passa diversas vezes pelos rins para ser filtrado.

O que pode causar a insuficiência renal?

Por vários motivos, os rins podem ser prejudicados, fazendo com que a filtração não seja realizada da forma correta. Isso leva a um acúmulo de certas toxinas no sangue, que deveriam ser eliminadas.

Chamamos de insuficiência renal quando o rim é incapaz de filtrar o sangue e eliminar as toxinas.

Ela pode ser aguda (perda súbita da capacidade do rim de filtrar) ou crônica (diminuição lenta da função dos rins).

A insuficiência renal aguda pode ser causada por bloqueio nos ureteres, condição que diminui o fluxo sanguíneo para o rim, ou uso de alguns medicamentos.

Já a crônica normalmente é causada por doenças que lentamente atingem os rins (diabetes e hipertensão, por exemplo).

Quais as diferenças entre diálise e hemodiálise?

O acúmulo de toxinas no sangue que acontece quando os rins deixam de funcionar é perigoso para o corpo e pode levar à morte.

Por isso, quando a insuficiência renal acontece, é necessário que a pessoa seja submetida a um tratamento de substituição que promoverá a retirada das toxinas do sangue: a diálise peritoneal ou a hemodiálise.

A diálise peritoneal promove a filtração com uma máquina e um cateter inserido. O equipamento infunde um soro no abdômen, que absorve as toxinas por meio da membrana que cobre os órgãos abdominais, o peritôneo. Não há contato direto com o sangue. Outras características são:

  • pode ser realizada no domicílio do paciente;
  • pode ser realizada em etapas durante o dia ou uma etapa mais longa enquanto o paciente dorme.

A hemodiálise é o outro tipo de diálise, que realiza a filtração com uma máquina especializada. Ela recebe o sangue do paciente por meio de um cateter ou uma fístula arteriovenosa e retira as toxinas. Isso acontece com a ajuda de uma solução e uma membrana semipermeável.

Após a filtração, o sangue é “devolvido” limpo para o paciente por meio de um acesso vascular. O tempo necessário de hemodiálise varia de acordo com a condição do indivíduo, sendo entre duas e quatro vezes por semanas de 3 a 5 horas. Esse procedimento só pode ser feito em hospitais ou clínicas especializadas.

Todos os pacientes que realizam diálise peritoneal ou hemodiálise precisam ser acompanhados por um médico especialista.

Se você gostou do post de hoje, que tal compartilhá-lo? Assim, seus amigos também podem ficar por dentro do assunto!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário

Scroll Up